População

População

Em 1991, a freguesia de Vaqueiros tinha 870 (oitocentos e setenta) habitantes e uma densidade populacional de 6,62 habitantes por quilómetro quadrado.
Segundo dados existentes na Junta de Freguesia, em relação ao Censos 2001, tem actualmente 694 habitantes, o que corresponde a uma densidade populacional de 4,74 habitantes por quilómetro quadrado. Atenda-se à diferença no intervalo de dez anos.

A Freguesia de Vaqueiros tem trinta e cinco povoados, quatro dos quais (Monte Novo, Mesquita, Galachinhos e Pomar) já se encontram desabitados. A maioria dos restantes trinta e um têm poucos fogos. As dificuldades de transportes e o acidentado do relevo, levaram o vizinho a estabelecer o seu fogo junto das terras mais desenvolvidas disseminando-se forçosamente o habitat.

Fazem parte da Freguesia os lugares de Alcaria e Alcarias, topónimo do árabe Al caria; Alcaria Queimada, com a mina de cobre e perto da qual, como já foi dito, existe a Capela de S. Bento; Balurquinho; Barranco; Bemposta, que aponta para a situação geográfica bem concebida; Bentos; Cabaços; Casa Nova; Casas; Serro, que se prende também à morfologia do solo; Fernandilho, que parece revelar influência castelhana local; Ferrarias, alusivo a oficinas onde no século XV, pelo menos, se trabalhava o ferro; Fortim, que inspira defesa; Galachos; Galachinhos; Galego; Jardos; Madeiras; Malfrade, expressão medieval alusiva talvez a um Freire de Sant’Iago; Mesquita, que pode estar relacionado com o povo árabe; Monchique; Pão Duro, onde em 1881 se abre um poço com auxilio da Câmara, pois estavam bebendo água da ribeira da Foupana; Monte Novo; Montinho da Revelada; Montinho da Várzea; Pomar; Preguiça; Preguiças; Taipas; Traviscosa, de travisco, mato; Zambujal, que deve o seu nome à flora, hoje transformada em boas oliveiras; e Vale da Rosa.

Neste pequeno lugarejo, encravado na serra foi instalada uma central solar que tinha um potência de cinco quilovátios o que permitiu fornecer energia a todas as casas do monte. Além disso, a Agência Francesa de Gestão de Energia ofereceu frigoríficos aos habitantes, enquanto a Direcção-Geral de Energia deu televisores a preto e branco. Não tendo sido efectuada manutenção pela empresa instaladora, foram ao longo do tempo deteriorando-se as células fotovoltáicas, o que tornou a energia de potência inferior às necessidades. Foi em 1996 substituída por energia eléctrica para dar possibilidade aos ainda residentes de iguais oportunidades.

Em 22 de Abril de 1866 é pedida uma estrada que vinda de Castro Verde, seguindo por Martim Longo, passasse por Vaqueiros a caminho de Tavira.

Durante séculos esta aldeia manteve-se isolada de tudo e de todos e em 25 de Abril de 1974 não tinha um metro quadrado de alcatrão em toda a área da Freguesia. E a luz eléctrica era um mito. Já nessa altura a serra se encontrava despovoada motivado pela emigração principalmente para a França e para a Alemanha.

Em Abril de 1984 foi inaugurado em Alcarias um telefone público, o que originou festa rija. Para a instalação foi necessário um traçado de 10Km por montes e vales com o levantamento de 225 postes e uma despesa aproximada a três mil contos.

O primeiro avanço fez-se com a abertura de caminhos que possibilitassem, pelo menos, a passagem de um tractor ou camião. Até aí só se chegava aos montes a pé ou de burro e os cadáveres para serem transportados para o cemitério, ofereciam dificuldades que só este povo conhece.
O alcatrão começou a aparecer até à célebre ponte sobre a ribeira da Foupana, ligando ao Concelho de Tavira, velha aspiração deste povo, já se encontrava concluída.

Olival característico da zona.

O correio chegava a Vaqueiros através de um condutor de malas que fazia a ligação entre esta aldeia e Martim Longo

Quem está ligado

Temos 6 visitantes e sem membros em linha